IoT utilizada para manter o idoso em sua casa

A Internet das Coisas (IoT) está ajudando a sociedade a encarar um grande desafio: satisfazer as necessidades de uma população em envelhecimento. Por exemplo, no Reino Unido, espera-se um aumento maciço de 23% naqueles com idade superior a 65 anos entre 2010 e 2018. Em 2035, o número de pessoas com 65 anos de idade aumentará de  11 para 16,9 milhões.
 
Em 1908, esperava-se que 1% da população atingisse o seu 100º aniversário, mas desde 2012, este número aumentou para 1 em cada 3 pessoas. À medida que as pessoas vivem mais tempo, inevitavelmente sofrerão um número maior de problemas de saúde. As casas de cuidados são caras – uma média de 2000 libras por mês – e muitos idosos preferem permanecer independentes em sua própria casa. O principal problema aqui é a segurança, e os membros da família podem ter que parar de trabalhar para prestar cuidados, caso não possam pagar cuidadores.
 
Como a evolução da tecnologia IoT, ela pode ajudar a eliminar esses problemas. Os dados coletados dos dispositivos de IoT formulam a história diária de um indivíduo monitorando sua rotina,, registrando eventuais inconsistências e alertando os serviços de emergência, se necessário. Dispositivos conectados IoT em casa  também melhoram a segurança da habitação. Especialistas projetam vendas de 50 milhões dispositivos sem fio para monitorar a saúde até o final de 2017, isto mostra que a casa inteligente está aqui para ficar.
 
A casa inteligente
 
A IBM fez parceria com a cidade italiana de Bolzano e instalou uma infinidade de sensores em residências para monitorar padrões diários. Sensores de porta para acompanhar regularidades de movimento, sensores de movimento, soquetes de luzes  que acendem e desligam em conformidade, com a entrada ou saida de indivíduos em um quarto. Os sensores de água e eletricidade entendem os tempos de cozimento e lavagem ou quando o residente era mais propenso a colocar a chaleira. para funcionar.  Almofadas de cama podem rastrear hábitos de sono e podem detectar se o residente caiu da cama. IoT e seus dispositivos conectados revolucionarão a forma como os idosos vivem sozinhos.
 
Alarme de fogão de auto-aprendizagem
 
O alarme de fogão de auto-aprendizagem é muito mais do que um detector de fumaça e/ou calor. Ele aprende hábitos da cozinha de um indivíduo dentro de uma casa específica, pegando dados. Adormecer – ou simplesmente esquecer –  o fogão ligado é algo incrivelmente perigoso, e este pequeno dispositivo visa enviar alertas antes que gases tóxicos sejam liberados ou antes de um incêndio começar sem ser combatido.
 
IoT controlando a temperatura
 
O redutor de fluxo ativado por temperatura é parafusado em uma torneira e fecha a água em uma pia ou chuveiro se ficar muito quente, evitando queimaduras. Além disso, o termostato IoT melhora a eficiência do uso de energia e ajusta a temperatura dentro da casa dependendo do tempo fora. Embora ambos os dispositivos sejam muito simples, eles são altamente eficazes para alguém com problemas de saúde exacerbados por temperaturas severas, como artrite grave.
 
Código de barras inteligente
 
O próprio Andy Stanford-Clark da IBM que inventou o código de barras inteligente, com 42 patentes, diz que este é o seu favorito. Quando digitalizada com um laser, uma linha preta de um código de barras muda de preto para transparente, gerando dois códigos diferentes conforme a temperatura do objeto. É usado para detectar se um item está congelado ou apenas refrigerado. Assim, quando conectado a um forno inteligente, ele identifica automaticamente temperaturas e tempos de cozimento para garantir que tudo esteja pronto ao mesmo tempo. Isso pode tornar a preparação de refeições mais fácil para os idosos, tirando toda a confusão que rodeia as diferenças nas condições de cozimento.
 
Campainha inteligente
 
Este dispositivo surpreendentemente poderoso oferece várias funcionalidades em um pequeno pacote. Uma porta da frente bloqueada é uma das barreiras mais eficazes de roubo e uma campainha inteligente aumenta a segurança. Ele permite que os residentes vejam quem está na porta sem abri-la, dando-lhes a opção de falar, gravar ou tirar um instantâneo e vê-lo em seu tablet ou smartphone. Ele pode deixar que pessoas, como os profissionais de saúde, tenham acesso facilitado nas casas de pessoas com problemas de mobilidade. O aplicativo sempre disponivel para quem esta cadastrado implica que os membros da família podem estar cientes de quem entrou na casa, proporcionando paz de espírito.
 
Alto-falantes inteligentes
 
Alto-falantes inteligentes podem realizar uma série de tarefas, de tocar música até responder perguntas, ler audiobooks e relatórios sobre o tráfego e condições meteorológicas. Ele pode até chamar os serviços de emergência através de telefones conectados, se solicitado. Ele pode controlar as luzes, interruptores e termostatos, por isso realmente atua como o hub para a casa inteligente. Além disso, quando conectado a tampos com sensores, o alto-falante inteligente pode alertar alguém se eles perderam o horário da medicação. O tampos  está conectado a um aplicativo, que pode ser acessado em um tablet ou smartphone. Colocando a medicação neste tampo, o aplicativo recolhe então dados a respeito de quando determinados comprimidos foram tomados e pode lembrar que faltou uma dose ou se deve ser agendado um exame.
 
IoT e independência
 
Em resumo, a tecnologia IoT  vai reduzir a pressão sobre os serviços de saúde, mantendo os idosos em suas casas. É um salva-vidas, discreto e eficaz. Ela permite que mesmo com o envelhecimento da população, a sua independência seja mantida, e fornece aos seus amigos e familiares paz de espírito.

Fonte: IBM Internet of Things Blog

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *